Archive for 4 de Maio, 2009

h1

Mark Thing

04/05/2009

Um pequeno espaço para o Homem, um gigantesco passo para o Marquetingue.

Espaço para Aluguer

Sim, é mesmo este o espaço. É este, este mesmo que está ilustrado na foto. É este, precisamente este. Mais nenhum, é este, só este! Ou haverá outro, mais afastado, um pouco mais a Este, e não este?!

Fotografia: Bias, Olhão. Espaço sim, espaço não.

Assim se escreve, em bom português.

Anúncios
h1

Estatística ou Tortura?

04/05/2009

«A Estatística é a arte de torturar os números até que eles se confessem».

A frase é do Professor José Juliano de Carvalho Filho, economista, investigador da Universidade de São Paulo.

Recorrendo a ferramentas estatísticas é possível encontrar uma explicação racional, baseada em relações causais, para os paupérrimos resultados do Benfica esta temporada. Estabeleça-se uma recta de regressão, em que, no eixo das abcissas se encontra o número de vezes que me desloco até Lagos em dia de jogo do Benfica. No eixo das ordenadas, a frequência com que o clube da Luz me brinda com resultados aflitivos.

Cálculados os Coeficientes de Correlação de Pearson e / ou Determinação (R2), não será de estranhar uma forte associação positiva entre o número de vezes que, havendo jogo, visito a cidade de Júlio Dantas e o Benfica consegue um resultado negativo.

A partir da tortura efectuada aos dados provenientes do suplício em que se tornou a campanha encarnada no Campeonato Nacional, concluo:

  1. Basta pum basta! Se o Dantas é do Sportem ou do FóCudePorco eu quero continuar a ser do Benfica. Morra o Dantas, pim!
  2. Quando a cidade de Lagos tem entranhada nas ruas um estranho cheiro a fogareiro apagado depois de uma tarde inteira a assar sardinhas, o Benfica sofre três ou mais golos;
  3. Como não me apetece deixar de ir a Lagos, resta-me esperar que algum dia esta associação termine ou passe a ser negativa. Talvez haja outra ferramenta (tortura) estatística que me sugira conclusões antagónicas àquelas que acabo de mencionar;

Pior que isto, só mesmo quando, nos tempos de Lisboa, via os jogos do Benfica no 36 de Berna, na companhia do meu grande amigo João Lince. Irra que aquilo era demais! Derrota certa, sempre, pelo que um de nós (eu) tinha que ir ver a bola à tasca pastelaria restaurante café gelataria croissanteria cervejaria snack bar Pato Real. E, nem sempre, era garantido que isso resultaria em vitória para as nossas cores.