Archive for 14 de Maio, 2009

h1

We’re nothing else but numbers

14/05/2009

De 7 a 9 de Maio, realizou-se no Estoril, a primeira edição das Conferências do Estoril, consignadas ao tema “Desafios Locais, Respostas Globais“. Nesta iniciativa participaram nomes importantes do panorama político (alguns não tão importantes) e económico mundial, tendo sido possível reflectir e debater sobre as grandes questões encerradas pela Globalização, sobretudo nos tempos difíceis que correm.

Não é todos os dias que podemos ver reunidos no nosso país pensadores como o nosso compatriota António Câmara, Samir Amin , ou Joseph Stiglitz, este último prémio Nobel das Ciências Económicas em 2001. 

A propósito do Professor da Universidade de Columbia, não posso deixar de salientar algumas das coisas que defende enquanto crítico de uma Globalização por vezes injusta, fundada no popular Consenso de Washington, enquanto receita infalível [?] para que as políticas económicas (fundamentalmente) dos países emergentes fossem / sejam bem sucedidas.

Numa época dominada pelo desemprego e, até há bem pouco tempo atrás, pelas libertinas leis de Wall Street, torna-se cada vez mais premente que os receituários impingidos pelo  Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Mundial e Organização Mundial do Comércio (OMC), sejam efectivamente voltados para a justiça social e para a auto-estima dos cidadãos. Seria benéfico ao desenvolvimento e à repartição da riqueza, que se abandonasse de vez a ideia tecnocrata de consecução de objectivos, frequentemente enraízados em processos  maquiavélicos, que nada mais fazem que tornar as pessoas em números que permitam quantificar indicadores de sucesso.

Código de Barras: Cartão do Cidadão para as instituições financeiras mundiais

Código de Barras: «O recenseamento comercial é obrigatório!» Esta é a minha identificação aos olhos do FMI e OMC.

Até que uma verdadeira reforma das instituições e do sistema financeiro internacional chegue, sendo todos nós vistos como indivíduos estatísticos e não como seres humanos, com família, auto-estima e sentimentos, sujeitos às imposições do mercado e às políticas económicas recomendadas por entidades externas, já me precavi e aferi o código de barras correspondente à minha personalidade. É uma espécie de B.I. na perspectiva do FMI, OMC e Banco Mundial, principalmente no que respeita à operacionalização das medidas impostas pelos dois primeiros.

Pode ser que assim, numa das Bolsa de Valores espalhadas pelas capitais financeiras mundiais, ou no Fórum Económico Internacional, os seus responsáveis tenham menos pejo em tomar decisões que intensificam casos de pobreza e aumentam desigualdades, num processo de Globalização irreversível, em que grande parte dos afectados nem sequer tem voz.

Anúncios
h1

Pecado mortal

14/05/2009
Imagem: Jornal Record on-line. Edição de 14-05-2009

Imagem: Jornal Record on-line. Edição de 14-05-2009

A inveja é um sentimento muito feio…

Assim se escreve, em bom português.