Archive for 27 de Maio, 2009

h1

O caso Alexandra e os Marosquinhas

27/05/2009

As miseráveis imagens da menina russa a levar uns tabefes da mãe, acompanhados por um histérico escarcéu, fazem-me lembrar as que confabulei há umas semanas atrás, aludindo aos manos Marosquinhas. Relatei-as aqui, no Terra Ruim, no post chamado Golpe de Asa.

Anúncios
h1

A madeira é uma arma de destruição massiva

27/05/2009

Ser português é nascer com uma propensão criativa fora do comum. Não se trata apenas dos inventores, estudantes, investigadores e empresas distinguidas internacionalmente pelas maravilhas encantadoras, desenvolvidas nos mais variados domínios da inovação. Há, em cada um de nós, uma mania desenfreada de inventar que, sendo frequentemente a chave do sucesso do tão popular desenrascanço, pode revelar-se contraproducente, tornando complexo aquilo que é simples.

A rubrica do Bom Português, na RTP1, costuma basear-se em duas alternativas ortográficas, sendo que só há lugar às seguintes soluções no enigma apresentado: apenas uma, ou ambas as formas colocadas aos entrevistados estão correctas. Não há lugar a uma terceira opção. Estas são as modestas regras do jogo.

Hoje, mais uma vez,  o Bom Português, demonstrou a nossa encantadora aptidão em dificultar o óbvio. A charada apresentada consistia em aferir sobre qual a forma correcta de escrever a palavra “maciça” ou “massiça”.

A segunda pessoa a ser interpelada pela jornalista, decidindo dar potência máxima ao “complicómetro“, resolveu tirar um coelho da cartola e, entre as opões dadas  (“maciça” ou “massiça”), num verdadeiro golpe de erudição, sai-se a soletrar a opção que, na sua opinião, seria a mais acertada. Em discurso directo:

Jornalista: «Como é que se escreve maciça? Cadeira de madeira maciça, com C de cedilha ou com dois S?»

Entrevistada: «Um Mê e um A, um C com cedilha , um I, um S e um A» (MAÇISA).

Assim se fala, em bom português.

E lá fui eu, todo sorridente e bem disposto, para mais uma labutação diária, consciente desta lição em que existe sempre uma terceira via, mesmo que apenas nos sejam dadas duas alternativas a escolher.

h1

Born to be wild

27/05/2009
Fotografia: Algures em plena Serra de Monchique

Fotografia: Algures em plena Serra de Monchique

h1

A montanha emprenhou. É um ratinho

27/05/2009

O caso BPN é um gordo novelo de trapaças, com um número infindável de pontas soltas, atravancadas no “segredo de justiça” e nos interesses e cargos políticos dos protagonistas. A quadrilha é composta pelos que enlearam o novelo e pelos que agora têm por missão desemaranhá-lo. Alguns desses protagonistas já os conhecemos, dos restantes, talvez nunca se venha a saber a sua identidade e respectivo contributo para se ter chegado a isto.

Nesta pilha gafeirenta, enferma pela encefalópatia reinante nas instituições financeiras, judiciais e políticas do país, ainda hei-de ver uma montanha de papéis e de processos, envolta em cotão bafiento, gerado nos umbigos desta corja, parindo ratinhos de penugem bolorenta, engaiolados à nascença e destinados à rodinha.

h1

Mark Thing: Se conduzir não beba. Nem coma espetadas

27/05/2009

Se “conduzate”, don’t “bebate” e “comate” espetadas! Se se “espetate” será “autoate” com uma coima “agravate” em mais dois euros por ter “ingerate” bebidas alcoólicas.

Fotografia: Festival Islâmico, Mértola

Fotografia: Mértola, Festival Islâmico.

Assim se escreve, em bom português.