h1

Por que é que os javalis sorriem?

14/06/2010

Partilho convosco as palavras que burilei numa folha de papel e li depois, no passado Sábado, dia da apresentação do novo livro de António Manuel Venda, O Sorriso Enigmático do Javali, no Longevity Wellness Resort, Monchique:

Eu, Eduardo Duarte, um nome quase tão cacofónico e pleonástico como Geraldo Giraldes, morador no Bairro Alto de São Roque, não de Lisboa, mas de Monchique, terra onde, apesar de não lhes fazer fé na existência, há coisas que só se explicam por inusitados bruxedos talvez vindos ou da Corte da Pomba ou sabe-se lá de que brenhas, coisas essas capazes de nos pôr a rosnar incrédulos “renhaufes. Mas, dizia eu, me confesso, ter sido uma simples capa a prova lúcida e cristalina que fez transitar em julgado a sentença sobre o primeiro dos livros assinados pelo nosso talentoso conterrâneo.

E ainda que a minha, provavelmente assim por ele classificada, desenxabida opinião pouco valha ao escritor que hoje aqui homenageamos, foi, por mera curiosidade, ao reparar no nome Monchique no seu primeiro livro, que iniciei um caminho de aprendizagem sobre o que de tão especial entra nos livros de António Manuel Venda. A partir de então, e até ao dia que hoje conhece mais uma dessas lições, ficou-me guardado para sempre na memória, as vezes em que foi a sua prosa quem me saudava e afagava com o sopro carinhoso desta terra nos instantes silenciosos de dura saudade que sempre tolhem o cordão umbilical de um jovem estudante, longe da segurança das muralhas acolhedoras da Fóia e Picota.

É, revendo-nos na escrita prodigiosa de António Venda, mas também de Manuel do Nascimento e Silva Carriço, que nós, monchiquenses, podemos compreender Miguel Torga quando diz: «É o espírito da terra que eu defendo». Não apenas desta terra que habitamos, feita de cristas, cabeços, barrancos, gargantas e valados polvilhados de verde “monchique”, (uma nova tonalidade de verde a juntar aos por António Venda desconhecidos «verde tropa» e «verde folha»), mas é também o espírito desta terra, pedaço de chão esponjoso de onde jorra o milagre misterioso da vida, onde também há «lugar para magia e assombramentos».

 Nesta relação alteritária sem barreiras, entre seres tão humanos como nós, animais e elementos ctónicos, habilmente combinados em laboriosas prosas povoadas por enredos bizarros e personagens singulares, opera-se a transposição espontânea, de forma sublime, para uma dimensão metafísica, do sensível para o supersensível. Esta é a autenticidade que, segundo a concepção Kantiana, define os Génios. António Venda lá terá as suas influências literárias, as suas manias, as suas predilecções por palavras ou expressões. Porém, a lisura da sua escrita não segue quaisquer regras uma vez que é ele mesmo que misteriosamente as fabrica através das escondidas e secretas estruturas da criação que o inundam.

As raízes e vivências Monchiquenses terão, certamente, contribuído para a harmonização das suas faculdades enquanto escritor, para a disposição inata do espírito criativo que revela, e, terá sido, também daqui, que lhe vieram grande parte das ideias e temas sobre as quais versa a sua obra. Não são muitas as localidades que se orgulham do momento que hoje aqui partilhamos. Numa terra onde as altas taxas de iliteracia têm sido um importante obstáculo à obtenção de uma população informada, participativa e pro-activa, que permita enfrentar os desafios que com cada vez maior impetuosidade nos deparam, porque não fazer da obra dos nossos escritores um elemento cooptador de Massa Crítica, utilizando o saber patente nos seus livros como vantagem comparativa ao nível da promoção e marketing territorial?

Agradecendo a supina honra que me foi concedida pela Senhora Presidente da Junta de Freguesia de Monchique em partilhar convosco estes instantes, termino dizendo que no dia em que António Manuel Venda lançou O Sorriso Enigmático do Javali, na Bertrand do Chiado, e ainda antes de ter conhecimento do evento que hoje nos reúne, escrevi no meu blogue: «Se eu ainda morasse em Lisboa já tinha planos para esta noite. E dava um agradecido abraço a um dos mais brilhantes escritores da minha terra. Que é, igualmente, um dos mais brilhantes escritores do meu país.

E, se pudesse também, dir-lhe-ia, nervoso e acanhado, o que aqui digo, orgulhoso e com o coração a crepitar: através das palavras e da singularidade matizada com que as conjuga em narrativas de encantar, obrigado por elevar o nome de Monchique. Obrigado por tão bem enobrecer a Língua Portuguesa.

Mais sobre a solenidade deste dia, aqui.

Fotografia: Patrícia Jaime. Gentilmente cedida por António Manuel Venda.

Anúncios

One comment

  1. […] « José Saramago Aos faltosos e incrédulos 21/06/2010 É me de todinho impensável conceder que haja alguém que ainda não conhece o Sorriso Enigmático do Javali e que, nesta minha terra […]



Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: