h1

Envelhecer

22/01/2012

A unidade diversa dos amigos de sempre, na mesma intimidade de sempre. Explicávamos Portugal. Analisando luciferinamente a lógica da nossa penúria coletiva, diziam uns que nos falta o juízo; outros que andámos a satisfazer caprichos com as algibeiras rotas dos nossos filhos; uns que somos um povo de incontritos vagabundos; outros que os números feitos dos economistas não trazem a esperança humana e imprevisível dos poetas. Enfim, a linguagem macaqueada do costume a fazer de cada português um revolucionário passivo à mesa do café. «É bom estar a chegar aos trinta e falar destas coisas», disse, fraternalmente, um dos mais lúcidos interlocutores, balizando a discussão na breve maratona da vida. Envelhecer, pensei eu. E há outra alternativa possível? Que remédio temos senão dar tempo e complacência à aspereza irreversível da palavra e deixar que os cordōes afetivos possam amaciar a erosão dos nossos prantos?

Anúncios

One comment

  1. eu gosto de vir aqui até ao teu “cantinho”. e hoje senti que isto estava escrito para mim :)) bjs



Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: