h1

Abstração

26/01/2012

Remate final num poema que há dias se desenrolava na cabeça. E foi a ferros que o arranquei, vitorioso da luta. É. Escrever, esquadrinhar a perfeição da palavra na largura funda de um verso, de um apontamento diarístico, ou de um conto é uma autêntica dor de parto.

Enjeitado por talentos

Ou outros dons de expressão,

Toda a musa

Se recusa

A dar-me a graça da criação.

Nos vagos desalentos

Das páginas concretas de cada confissão

Que o mundo inteiro lê,

Não há como nem porquê.

Nenhuma forma insondável me é ausente

Todo eu sou pedra transparente

E, mesmo isso, ninguém vê!

Fotografia: Luís Duarte

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: