Archive for 5 de Setembro, 2012

h1

Vida escrita

05/09/2012

A vida vivida não se escreve
Nos resumos leves de um diário,
Pois não é uma sucessão breve
De notas nas linhas de um sumário.

A vida é teia que o tempo tece
Nas ruínas velhas de uma casa.
É fruto fugaz que amadurece,
É um ferro frio malhando em brasa.

A vida é pureza verdadeira
Engolida às gotas num só trago,
Às vezes sabendo a um fel vago
De ressaca antes da bebedeira.

h1

O préstimo cívico da poesia

05/09/2012

Nunca ouviu falar de Gide, de Rilke, de Goethe, de Eliot, de Poe, de Whitman, de Pound ou de Szymborska. Conhece apenas excertos dos sonetos de Camões citados a martelo e umas estrofes obscenas de Bocage que apanhou de ouvido. Em Pessoa, fica-se por aqueles dois versos do Mar Português que, paradoxalmente, lhe apoucam as veras da alma. É político. Não gosta de poesia. Se gostasse, não tinha tão maus fígados, tão má ortografia e tão maus sofismas na retórica.