Archive for 28 de Setembro, 2012

h1

Requerimento

28/09/2012

Pedi à musa que viesse,
Que não me deixasse calado.
Que o poema acontecesse,
Nas prateleiras de uma quermesse
Em honra de um santo excomungado.

Pedi-lhe, numa prece, humildemente,
A voz inspirada da canção.
Uma centelha, um elixir, uma semente,
Um milagre da transformação:
Uma seara dourada e ardente
Que dos versos desse pão.

h1

As escalas da política

28/09/2012

A política argamassada nas ruínas coletivas locais. Os mesmos truques da escola nacional de ilusionismo narcísico, os mesmos números acrobáticos decalcados aos de São Bento, reproduzidos nas lonas e nos trapézios domésticos. Aqui, como lá, a confraria pública parece uma pirotecnia lúdica prontinha a mandar tudo pelos ares. Salvo digníssimas excepções – e honra lhes seja – cada fogueteiro manuseia a palavra como se fosse pólvora. Escolhem as canas da tartufice a preceito, metem rastilho encerado em ironias fátuas, escorvam delicadamente a pólvora nos invólucros do cinismo, empapuçam as cabeças do foguete com as mais variadas cores retóricas, e, depois, quando a girândola das demagogias larga os foguetes de lágrimas, ficam deslumbrados, de olhos fixos na explosão a incendiar os céus mediáticos, esquecidos de que o arco-íris da incandescência se mantém no ar apenas durante o tempo que eles se demoram na solene investidura de mordomos da festa.