Archive for 8 de Novembro, 2012

h1

Serra da Fóia

08/11/2012

No talefe, a eternidade é paralisia verde.

Um manto desalmado nos arbustos

Que se enruga nos relevos e se perde

Em tons de monotonia mais vetustos.

Penedias de adoração contemplativa,

Sustendo vagas de seiva sedativa

Quase parada, sem nenhuma pressa.

E uma transfusão fisiológica começa

No silêncio expansivo da respiração.

Novo ímpeto geológico me atravessa

Como terra parda a pulsar no coração.

Então,

Tudo transforma em transcendência

O bruto músculo contorcido do chão:

O verde é só uma capa de aparência,

A calma é um ermo duro de ausência

Arrasada pelo mar de pedra e criação.

Fotografia: Laura Mexia