h1

Onze de novembro de dois mil e doze

12/11/2012

Cá ando, desaustinado, de anulação em anulação, a perder azimutes. Como um daqueles atores de farsa a quem foi atribuído o papel principal do próprio destino, decorou diligentemente as suas deixas, cronometrou os tempos de entrada e de saída de cena, estudou os interlocutores por dentro e por fora e, desfilando com a perícia possível pelos palcos, cenários e plateias que a vida lhe foi confiando, não passou de um atormentado figurante a contracenar com a inconsciência dos instintos.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: