h1

Poema

13/02/2013

Não é meu, nem teu, nem de ninguém,

É um quebranto que vem

Quando menos se pensa.

Nasce quando nasce,

Cresce do nada, faz-se

Sem pedir licença.

Às vezes, tristeza em festa,

Poema é a arte do sensível

Que nos resta.

A última coisa tangível

Que se presta

A alcançar o impossível.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: