h1

Lei dos rendimentos descrescentes

26/03/2013

Carradas e carradas de desespero a estalar por tudo o que é lado. E o mal é que não sei de onde me vem. Mas tudo tem o seu quê e a sua medida. Até este cotão crispado que se vai juntando aos poucos no fundo da consciência há-de reger-se por uma lei dos rendimentos decrescentes. O ponto a partir do qual, por maior que seja o pudor, a cobardia, o orgulho ou a vergonha, mantendo-se constante a dispersão do costume, esta aflição não passará de desabafos impessoais de um poeta sem voz.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: