Archive for 22 de Junho, 2013

h1

Ilha de Tavira, 22 de Junho de 2013

22/06/2013

Mais mar. O pólo positivo do meu pólo negativo. De todas as grandezas naturais da Terra, esta é a única com a qual não tenho o desplante de me comparar. É que este céu fundeado em água e sal vai até aos confins do mundo (o real e o sonhado) e eu só consigo ir até aos confins amargurados do meu desespero.

h1

Os meus livros

22/06/2013

Somos, realmente, aquilo que lemos. As estantes deste sarcófago que é o meu quarto são autênticos relicários onde está guardado aquilo que sou e até onde poderei vir a ser. São eles o epicentro dos meus transes, dos meus maiores arrebatamentos psíquicos e das minhas ousadias mais inquietas. Estarão para mim, no futuro, como as ruínas de hoje estão para as singularidades das civilizações antigas, mortas às mãos aterradoras das próprias perdições. Leio-os até à quase volatilização dos sentidos e à súbita sublimação consciente do entendimento. E são tantas as vezes em que só sinto o coração a bater nas têmporas e no peito graças às páginas que devoro como tremoços. Os livros são pilhas onde assentamos os pés da imaginação para nos fazer crescer o tamanho da alma. Tenho em mim todas as Dulcineias idealizadas, todos os Raskolnikov atormentados e todas as baleias indomáveis dos mares da liberdade. Sou de capa dura, mas estou cheio de ilustrações para crianças.