h1

Numa livraria

10/12/2013

Não deve haver coisa mais milagrosa no mundo dos livros que é a gente esgueirar-se dos muros do desterro hostil e individual da solidão repetida na paisagem monótona dos dias e entrar numa livraria. Sobretudo, se nessa livraria nos recebem com a simpatia solícita de quem tem as chaves do Paraíso prontas para serem confiadas às nossas mãos. Parecendo que não, dá esperança. Sai-se de lá com o optimismo reforçado de que ainda existe uma forma exorbitada de acreditar na inspiração divina que cada homem, independentemente da condição do nascimento, comporta dentro de si e que, quer se queira ou não, tem praticado infinitamente, desde que gatafunhou os primeiros vocábulos. Muito antes, até, de ter lavrado o Pentateuco. “No princípio, era o Verbo…”, ensina S. João. E era, felizmente, um verbo transitivo. Desses que ata os homens na humanidade uns dos outros.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: