Posts Tagged ‘Artesanato’

h1

O senhor Justo

03/09/2012

Ora o senhor Justo, cesteiro, filho genuíno e legítimo desta serra… O carácter honrado enobrece-lhe a medida certa do nome e até a barbicha grisalha pendurada no queixo levemente escaveirado, esculpida por mãos imaginosas mas realistas, lhe dignifica o apelido imparcial. Rodeado de cestos, cadeiras de tabúa, escadas de madeira engarrafadas, outros artefactos de verga torcida e madeiras incorruptíveis que não cedem às emboscadas plásticas das sofisticações actuais, lá me vendeu uma canastra com os juízos todos regateados numa expressão pura, especificamente sua, de amável censura.

– E agora, onde vai arranjar batatas para dar uso ao alcatruz?

Se, ao menos, tivesse umas courelas, vá que não vá. Mas não tenho. Pelo que, não havendo outro remédio, lhe respondi na sinceridade de quem procura as raízes na intimidade expressiva de todas as coisas:

– Olhe, aqui, onde os meus pais e avôs alombaram arrobas maciças de trabalho e sofrimento, hei-de eu carregar uns livros que lá tenho a abrolhar!

Anúncios
h1

Artechique

29/08/2012

Mãos engenhosas que, desde que o mundo é mundo, entretecem medas de vimeiro como tranças de cabelo, talham colheres de pau remexendo o caldo do tempo, tendem no linho os fios da vida, apontoam na renda o toque delicado e maternal da serra,sentam, em cadeiras de tesoura ou tabúa, bisnetos e antepassados à mesma mesa fraternal, pintam de um sol doce e pegajoso a lida aturada nos favos dos cortiços e transformam o pó insípido do chão num bolo que tem o doce crestado da terra.

É em Monchique durante o próximo fim-de-semana.