Posts Tagged ‘Camões’

h1

Pátria ibérica

17/09/2013

24 de agosto de 2013. A cruzar a fronteira entre Portugal e Espanha, na ponte sobre o Guadiana. As fronteiras são as rédeas invisíveis de um povo. As nossas, fortificadas a medo ou a caudais de retraimento, moldaram-nos a pequenez. Uma pequenez que nos abriu à grandeza oceânica da nação, da imaginação e da História. Mas basta trasladar a nossa expressão ibérica para a outra estrema da linha imaginária que nos separa do lado castelhano da Ibéria para patentearmos a força do nosso génio na do génio vizinho. Uma leira do lado de lá, aqui, é um latifúndio, uma capela românica portuguesa não preenche a abóbada de uma catedral gótica espanhola, o que dentro de portas é rarefacção autêntica, fora delas é abundância monótona e repetida. Até a Língua falada parece português escaldado e sem peias a estalar na boca. Porém, é, simultaneamente, confiado no equilíbrio entre ambos os povos e com a desconfiança de um contrabandista que cruzo o recorte destas linhas fictícias a unir Portugal e Espanha. Fico sempre com um olho em Camões e ou outro em Cervantes.

Anúncios
h1

O préstimo cívico da poesia

05/09/2012

Nunca ouviu falar de Gide, de Rilke, de Goethe, de Eliot, de Poe, de Whitman, de Pound ou de Szymborska. Conhece apenas excertos dos sonetos de Camões citados a martelo e umas estrofes obscenas de Bocage que apanhou de ouvido. Em Pessoa, fica-se por aqueles dois versos do Mar Português que, paradoxalmente, lhe apoucam as veras da alma. É político. Não gosta de poesia. Se gostasse, não tinha tão maus fígados, tão má ortografia e tão maus sofismas na retórica.