Archive for Agosto, 2013

h1

A vida cívica

25/08/2013

Nova assembleia cívica até desoras. E o que sobrou da minha participação – se é que se pode chamar participação à total falta de presença cumpliciadora – foi um poema arrancado a ferros, anotado no papel ainda com salitre e grãos de areia nos versos, horas depois de mais uma tarde a encarar os feitiços líricos do mar. O que sou a menos socialmente sou a mais naturalmente. O melhor que tenho para dar no vínculo de cidadão a tempo inteiro com que fui investido pelos imperativos da consciência vem, quando vem, na forma banal e ridícula de versos, na contumácia do silêncio, ou no anonimato violentado da minha solidão. Existir, mas numa discrição renovada diariamente até à quase inexistência.
De modo que quando o corifeu do concílio deu por encerrados os trabalhos, desembainhei as pernas e meti a correr pela escuridão das ruas de regresso a um lugar familiar onde pudesse estar a salvo da crispação interna em que me vou ratando à traição. Sou como aqueles bichos do mato que, depois de muitas horas em cativeiro, se esgueiram à primeira oportunidade pela fresta mais estreita de liberdade que possam ver aberta.

Anúncios
h1

Mar

25/08/2013

O mar. Um Portugal com fronteiras de ócio fora do tempo e fora do espaço. O denominador comum de dez milhões de amarguras fraccionadas estendidas sob a sombra de horas indulgentes. O país inteiro como um taipal de pedra basculado a um Atlântico de futilidades, onde até eu, que as renuncio em absoluto, gosto, às vezes, de me inserir para poder sentir-me tão português, tão alodial e tão sonâmbulo como os outros. O mar. A razão contemplativa da nossa opulência histórica medida pelas incertezas desmesuradas de um futuro panorâmico que deixa de ser um suplício contrito de resignação para passar a ser um exercício infinito da imaginação.

Mar! Mar! Mar!
Nenhuma outra palavra me completa.
Nenhuma outra me faz navegar
Nos horizontes infinitos de poeta.

Mar! Mar! Mar!
E de repente, à tona da inspiração,
Vem uma maré cheia de temas.
E o vaivém das ondas é uma rebentação
Ressoando a frescura dos poemas.

Mar! Mar! Mar!
E o panorama de versos não cessa,
Até o sol cansado finalmente pousar
No fundo azul onde o lirismo recomeça.

h1

As casas abandonadas da vila

14/08/2013

As casas abandonadas da vila lembram-me retratos antigos. Olho para elas a apagar-se, gastas nos cantos, os vidros baços, os telhados cabisbaixos, e consigo ver lá dentro vidas, gente, pais, mães, avós lavando a loiça, crianças decorando a tabuada, barulhos, brilhos, movimento. Fantasmas de cimento sustendo a respiração, à espera que, por fim, o esquecimento os mergulhe de vez na paisagem precária de nós mesmos. Ruínas tímidas desalojadas do Futuro quando lhes demolimos o Passado.

casas_velhas

h1

Génesis

09/08/2013

Quem foi que nos escreveu
Nas brancas páginas caladas
Que a vida nos concedeu
Quando éramos dois nadas?
Foi quem foi, mas ninguém leu
Nos meus lábios e nos teus
A caligrafia em letras mortas
Onde eras um verso direito de Deus
Escrito nas minhas linhas tortas.

h1

Mensagem

06/08/2013

Deixar andar o tempo.
Contá-lo é juntar desperdícios.
Sem dar atenção aos indícios,
Vivo o pêndulo de cada instante
Como se estivesse diante
De mim e de Ti
Num baloiço de negação.
A perguntar se estavas aí
E a fingir que não ouvi
O teu silêncio dizer “não”!

h1

Contemplação

05/08/2013

Espero pacientemente.
Mesmo que me não digas se vens.
É apenas porque sei que tens
A mesma razão intuída
No poder contraditório do amor.
Espero o tempo que for.
Porque até a paixão mais arrefecida
Tem escondida
Uma fonte secreta de calor.