Posts Tagged ‘Fóia’

h1

Serra da Fóia

08/11/2012

No talefe, a eternidade é paralisia verde.

Um manto desalmado nos arbustos

Que se enruga nos relevos e se perde

Em tons de monotonia mais vetustos.

Penedias de adoração contemplativa,

Sustendo vagas de seiva sedativa

Quase parada, sem nenhuma pressa.

E uma transfusão fisiológica começa

No silêncio expansivo da respiração.

Novo ímpeto geológico me atravessa

Como terra parda a pulsar no coração.

Então,

Tudo transforma em transcendência

O bruto músculo contorcido do chão:

O verde é só uma capa de aparência,

A calma é um ermo duro de ausência

Arrasada pelo mar de pedra e criação.

Fotografia: Laura Mexia

Anúncios
h1

Páscoa

08/04/2012

O instinto de conservação pode muito. É dia de Páscoa, e eu, transviado da significação íntima desta Festa, sem outra lanterna de fé senão a devoção fanática pelas maravilhas da Natureza, vim até este Gólgota sienítico apreciar a vida saída do sepulcro invernal, renovada num painel adoçado em cores e perfumes diversos. A Sul, a procissão real de montes termina num mar raso espelhando o Altíssimo. Um panorama inolvidável, até onde os olhos podem. Prolongado nos horizontes, sinto-me desobrigado, sem sofrimentos, sem chagas e sem lamentações. Ressuscito nos mistérios da paisagem. Talvez seja porque a variedade da vida é invariável em todos reinos – humano, animal e vegetal – e o desafio da existência é ganho a perdê-lo.

h1

Fóia

21/02/2012

É aqui, a contemplar abismos no cimo destes fragões ciclópicos, que vou enganando a fatalidade inevitável dos sete palmos de paz que me esperam. Subo a uma inquietação suspensa, erguida a palmo, pacificada na certeza inerte de que, depois de nós, a eternidade das coisas belas continuará a existir. Quem vem encher os olhos deste panorama sereno e transparente só pode ser movido por um de dois instintos: ou um delírio de atração, ou um martírio de consolação.