Archive for the ‘O Mundo está podre’ Category

h1

Milagres públicos

17/09/2013

Eis o milagre imperdoável dos nossos dias: darmos aos políticos um palanque de esperança e vermos, depois, o céu que nos prometem afundado na perfídia movediça e desmesurada dos próprios egos. Confundem serviço com servir-se. Baralham de tal forma a realidade, trocam-nos de tal modo as voltas às convicções, que até o nosso desespero lhes serve de pretexto para se legitimarem na presunção ambiciosa da eternidade.

Anúncios
h1

Toque a rebate

20/03/2013

Na simetria cronológica
Do rectângulo a ocidente
Tudo como antigamente.
No país da arraia-miúda
Nada muda.
Os filhos da revolução
Trabalham em vão
E pagam impostos.
Murchos e de olhos postos
Nos cravos do chão.

h1

Incultura

08/03/2013

Esta tarde, na paragem de autocarros, é que eu pude demorar as ideias na velha carreira problemática da nossa incultura. Lado a lado, enquanto esperavam a camioneta, duas adolescentes bebiam a calma da tarde, fazendo os possíveis por ultrapassar os atrasos da própria vida nos giros do mundo. A portuguesa, enviava mensagens pelo telemóvel, a alemã lia o Werther.

h1

Catastrofismo intergaláctico

16/02/2013

É um fenómeno perturbador. Desde que leixões celestes começaram a cruzar os céus diariamente, parece ter sido desmantelado o ímpeto cataclísmico de sismos e vulcões. Medidos por um estalão cósmico, não passam de pruridos telúricos, e é pena. Embora compreenda o destempero, até eu, que ando sempre de olhos postos no chão, com uma vergonha infinita de mim e dos outros, desviei a órbita e passei grande parte do dia a olhar esperançosamente para o firmamento, na expectativa de que uma pedrada incandescente me pudesse atingir, cumprindo a sua epifania. E nem assim…

h1

Rosnar de Tessalónica

14/02/2013

Estava rabujado, fraco de pachorra, e com as duas páginas mal-humoradas de Os cães de Tessalónica, do Askildsen, tomadas ao pequeno-almoço, bem frescas no génio. Só consegui arremeter de raspão à disponibilidade desgarrada na provocação:
– Não se lastime tanto, rapaz! Exorbite as suas qualidades. Olhe que as tem! Sempre há-de achar algumas no espelho das palavras que lê nos seus livros.
– E para quê? Dançar ufanamente ao rufar das ovações da consciência é meio caminho andado para ferir-lhes a legitimidade de morte.
– Então reproduza aquelas louvaminhas que lhe vão deixando de onde em onde! – E foi a faísca no rastilho.
– Já olhou bem para a Lua?! Acende-se todas as noites sem necessidade de acessórios fluorescentes a comprovar-lhe o brilho no escuro. No entanto, cumpre diligentemente o seu papel…
Pobres de nós! Não conseguimos conduzir discretamente o carro da humildade sem arroubos de luzes a encandear quem nos cruza.

h1

Mercados

05/02/2013

Em que país fica um país que é Portugal,
Onde há fome e há as contas dos doutores,
E a História e o Povo não são mais capital,
Capital é a cidade imaterial da Bolsa de Valores?

Que pátria é essa de poetas indignados
Cantando contra as esperanças dissolutas
De quem está no desespero dos mercados
Como os homens estão para as prostitutas?

h1

Dizer não

29/01/2013

De todas as formas com que o poder se prefigura, a única que me fascina verdadeiramente é a de ser usufrutuário do poder da abnegação. Entre tantos dons inatos que trazemos agarrados à vontade, dizer não é aquele em que mais se afirma o inexorável instinto de preservação intrínseco a cada existência livre. No meu caso, é um modo anquilosado de abjuração que, de resto, devo à pia baptismal, e da qual faço uso sempre que me dão a cheirar o perfume inebriante e tirânico do outro poder, o temporal, que tudo deforma, tudo perverte, tudo corrompe. É como se respondesse ainda à interpelação do Padre Ferro, ungido pelo santo óleo dos catecúmenos da liberdade, limpo do pecado original:

– Renuncias a Satanás e a todos os seus anjos?
– Sim, renuncio!