Archive for Fevereiro, 2012

h1

Chaga

29/02/2012

Primavera – toda a Natureza

Semeada numa paisagem

De sonho e aguarela.

E eu tragédia em pousio

Sem amadurecer no estio

Da imagem

Sonhada nessa tela.

 

É contudo esta a paz que me apetece:

Germinar nas cores da sementeira;

Um só tom de verde que me desse

O húmus da alegria verdadeira.

Anúncios
h1

Ler

25/02/2012

Ler, ler, ler. Ler sem pensar em nada. Sair instantaneamente deste estado sinóptico de entorpecimento e lassidão. Devorar com uma avidez de urso quanta prosa, quantos versos e quantas solfas me vêm ter às mãos. Meter o bedelho na intimidade das personagens; viver, aparentemente, dentro das suas inquietações; apropriar-me dos adjectivos irredutíveis do enredo até que, numa espécie de jogo viciado da vida real, em qualquer homem velho, de violino nas mãos e a gastar-se no tempo de ser, viva a probidade emblemática de um Mestre Finezas.

h1

Mea culpa

23/02/2012

Levo as mãos ao peito

A pedir perdão

Por este engano,

Esta falta de jeito

Humano

Para viver a condição

Que me foi dada.

E grito novamente

Ao eco penitente

Da minha solidão

Desesperada,

Sabendo de antemão

Que o que é dito

Nesse grito

É a minha amargura sussurrada.

h1

Fóia

21/02/2012

É aqui, a contemplar abismos no cimo destes fragões ciclópicos, que vou enganando a fatalidade inevitável dos sete palmos de paz que me esperam. Subo a uma inquietação suspensa, erguida a palmo, pacificada na certeza inerte de que, depois de nós, a eternidade das coisas belas continuará a existir. Quem vem encher os olhos deste panorama sereno e transparente só pode ser movido por um de dois instintos: ou um delírio de atração, ou um martírio de consolação.

h1

Palavras cessadas

17/02/2012

Deitei fora todas as palavras.

Fugiram-me das mãos

Em gestos leves

Breves,

Vãos

Como ondas agressivas

De silêncio paciente.

Furtivas

À agressão

Vivem sós, na condenação

De morrer em câmara ardente.

Sem elas, virá a fome.

Da vida descarnada,

Sobrará apenas o caroço.

Agora, as palavras são terra que come

Na ânsia torturada

De chegar até ao osso.

Fotografia: Gilda Marteniano

h1

Pedras

16/02/2012

Não sei como consegue. Cumpliciando-me na catarse, vai cavando, removendo laboriosamente o saibro inútil do fundo da galeria, e quando vou a dar conta, estou a deitar cá para fora as gangas todas.

– As minhas vidas… Uma que parece, outra que se exibe. Uma é só cascalho e a outra, íntima, funda, afectiva, é só rocha-mãe.

– Olha que entre a rocha-mãe, às vezes, encontram-se filões raros de pedras preciosas…

– É um facto. Mas olhe que de pedras percebo eu.

Não sei se a convenci. Acontece, realmente, que tardo em apanhar o veio a pulsar na nascente dos dias. É sempre em esforço que me afeiçoo ao dom de viver. Nunca consegui ser mais que um pobre e absurdo trovador de naturezas mortas.

h1

Um cangalho

15/02/2012

Um cangalho, não há que ver. Só eu é que sei o que me pesam no chinguiço as acrobacias desesperadas da carga a cair aos bocados alombada pela parelha de vidas em que me intuí: uma crispada por convicções e outra recatada por convenções.